Notícias

Metroferroviários organizam agenda de lutas contra as privatizações

04.11.19 Destaques, Geral, Notícias

Os ataques aos direitos das trabalhadoras e trabalhadores são muitos, e a categoria metroferroviária está enfrentando mais um deles, a tentativa de privatização de metrôs e ferrovias por parte do governo Bolsonaro (PSL).

Neste sábado, 2, reunidos no Sindicato dos Metroviários de São Paulo, metroferroviários de Pernambuco, Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro e São Paulo aprovaram uma agenda de lutas para enfrentar as privatizações. A categoria contou com o apoio da Confederação Nacional dos Transportes, de metalúrgicos, marceneiros, trabalhadores do setor de saneamento e dos Correios, presentes na plenária.

A atividade se iniciou com uma homenagem a Dina Gomes, metroviária de São Paulo que faleceu recentemente, e Paulo Paulino Guajajara, liderança indígena assassinado neste final de semana. Durante o período da manhã foi realizado um debate sobre a conjuntura nacional, com a presença de Atenágoras Lopes, da CSP-CONLUTAS, Helcio Marcelino, da CUT, Paulo Pasin, pela Frente Povo Sem Medo, Pedro Otoni, da Intersindical e Rene Vicente, da CBT.

Os dirigentes presentes destacaram a crescente precarização do trabalho, o aumento das terceirizações e o fenômeno da “uberização”, e o exemplo do processo de privatização do setor elétrico na década de 1990, onde se era prometido modernização e redução da tarifa, e foi entregue um grande aumento e piora do serviço. Houve também um repúdio às declarações de Eduardo Bolsonaro (PSL) em prol da ditadura e o pedido da urgência de justiça para Marielle e Anderson.

A necessidade de unidade dos trabalhadores de todo setor público foi colocada como central, já que as privatizações atingem as empresas públicas em geral.

Veja também  PM reprime manifestação contra aumento da tarifa em São Paulo

Ainda que a discussão fosse relativa a conjuntura nacional, a luta do povo chileno foi enfatizada no debate, dadas as semelhanças com a realidade brasileira. O governo Bolsonaro tenta intensificar a aprovação de medidas baseadas no modelo chileno, fiel ao neoliberalismo, que trouxe aumento da pobreza e destruição dos serviços públicos no país.

No período da tarde ocorreu uma discussão sobre as ações necessária para enfrentar a retirada de direitos,o governo Bolsonaro e as privatizações. Confira os pontos aprovados:

1- 26/11: Dia Nacional de luta contra as privatizações dos metrôs

– Panfletagem unificada nas estações de metrôs, com material da Fenametro
– Café com usuários
– Ato nas estações
– 18h: Lançamento, em São Paulo, do Comitê Nacional de Defesa do sistema metroferroviário

2- Ditadura nunca mais! Repudio as declarações de Eduardo Bolsonaro e pela cassação de seu mandato. Não ao AI-5 e o ataque as liberdades democráticas

3- Justiça por Marielle! Pela investigação das relações da família Bolsonaro no crime

4- Unificação da luta em defesa das empresas estatais, do serviço público e da soberania nacional. Chamado as Centrais Sindicais para convocação de uma grande plenária de todas empresas estatais e servidores públicos

5- Campanha nacional em defesa dos metroviários do Rio Grande do Sul punidos na Greve Geral

6 – Nova reunião da Federação no dia 17/12