Notícias

Delações confirmam ligação de empreiteiras, governos tucanos e casos de corrupção no Metrô de São Paulo

03.09.19 Notícias, São Paulo

Novas delações do ex-diretor do Metrô de São Paulo, Sérgio Correa Brasil, num acordo de delação à Operação Lava Jato em São Paulo, comprovam as diversas denúncias que a Fenametro e o Sindicato dos Metroviários de São Paulo faziam há anos: a relação de corrupção entre os governos tucanos, as empreiteiras e a direção do Metrô de São Paulo.

As empresas envolvidas seriam Odebrecht, Andrade Gutierrez e Camargo Corrêa, na construção, expansão e manutenção das Linhas 2-Verde, 5-Lilás e 6-Laranja.

Segundo o ex-diretor, havia um esquema envolvendo governos tucanos, a direção do Metrô e empreiteiras para superfaturamento de obras, contratos e licitações no Metrô de São Paulo, de 2004 a 2007. Denúncias semelhantes foram feitas em outras delações, e no início deste mês Brasil e 13 executivos da Odebrecht, Andrade Gutierrez, Queiroz Galvão e OAS viraram réus por corrupção na construção, ampliação e obras das Linhas 2-Verde e 5-Lilás, e na elaboração da PPP da Linha 6-Laranja de 2004 a 2014.

Veja também  Diretoria da Fenametro debate lutas da categoria

De acordo com Brasil, havia repasse de informações privilegiadas para as empreiteiras, além do recebimento de propina – uma porcentagem estipulada de acordo com o faturamento da obra.

As informações só comprovam o que a Fenametro e os metroviários de São Paulo denunciam há anos, a corrupção no Metrô de São Paulo e sua relação direta com os governos tucanos e as privatizações. Fomos ao CADE, realizamos manifestações, audiências públicas com parlamentares e fizemos greves denunciando a situação. Seguimos firmes na denúncia de que a privatização só traz prejuízos para população e os trabalhadores.