Notícias

7º Congresso aprova resoluções e elege direção

01.03.21 Destaques, Geral, Notícias

InicioEram 9h da manhã do sábado (27/2) quando os primeiros participantes já ingressavam na sala de reuniões on-line e no sistema interno do 7º Congresso da Fenametro (Federação Nacional dos Metroferroviários). Aos poucos se reuniam em pequenas telas, a maioria de suas casas, delegados, suplentes e convidados do evento. Ainda na primeira hora do evento já estavam conectadas mais de 70 pessoas.

A abertura do Congresso 7º Congresso da Fenametro foi feita pelo presidente da entidade, Celso Borba, que destacou o esforço de todos para a realização da atividade em plena pandemia. Após isso foi feita a apresentação do regimento interno e proposta de mesa diretora para a votação dos delegados. Foi aprovado o regimento com 64 votos favoráveis e 1 abstenção. A mesa diretora foi composta por: Alda Fernandes (MG), Celso Borba (SP), Carmen (RS), Luiz Soares (PE), Myrna (RJ), Rodrigo Kobori (SP) e Rosa Anacleto (SP).

Mediada pela diretora da Federação Alda Fernandes, foram feitas saudações e exposições das Centrais Sindicais e da Frente Povo Sem Medo (FPSM). O companheiro Rene Vicente falou pela CTB, seguido pelo Marrom (CUT) e Altino de Melo (CSP-Conlutas) e Camila Lisboa (FPSM). As falas dos convidados abriram o debate de conjuntura e as intervenções dos representantes dos estados das entidades que participam da Fenametro.

Exposições dos estados

Os representantes dos sindicatos filiados à Fenametro indicados pelos estados fizeram as primeiras considerações, expondo a situação local e também as avaliações com relação à situação política do último período.

Falaram os companheiros Marcos do Sinfeal (AL), Alda Fernandes (MG), Carlos Alberto Cassiano do Sindimetro (DF), Luis Henrique Chagas do Sindimetrô (RS), Elias do Simerj (RJ), Luis Soares do Sindimetro (PE), Wagner Fajardo (SP) e Daniel Vieira (PI).

Conjuntura Nacional e Política

Na parte da manhã, após a exposição dos representantes de entidades ligadas à Fenametro, foram abertas inscrições de fala sobre a questão da conjuntura nacional. Ao todo falaram 20 companheiros e companheiras, em intervenções de 3 a 4 minutos.

Ao abrir para as intervenções, Celso Borba (SP) falou da tarefa de “unificar os trabalhadores de metrô e das ferrovias”. Rodrigo Kobori (SP) parabenizou a realização do congresso e defendeu a realização de “um plano comum de lutas para fazer um grande enfrentamento aos ataques principalmente do governo Bolsonaro.”.

O conteúdo está disponível na íntegra no canal de YouTube da Fenametro e um resumo das discussões no site da entidade. A primeira parte dos debates se encerrou às 13h05 e, após isso, foram colocadas em votação as Resoluções Políticas, que foram aprovadas por unanimidade com 71 votos. Um calendário do Plano de Lutas foi aprovado com um total de 68 favoráveis, 1 contrário e 1 abstenção.

Veja também  Fenametro encaminha carta as Centrais Sindicais e ao movimento popular .

Opressões

Na parte da tarde do Congresso, foi realizado o debate sobre os temas relativos às opressões. A metroviária Rosa Anacleto (SP) coordenou a mesa que tratou de abordar o “combate ao machismo, à violência contra as mulheres negras, a diferença salarial” entre outros pontos abordados durante as exposições e intervenções.

Marisa (SP) fez uma saudação ao Congresso e mencionou a realização do 6º de Mulheres Metroferroviárias, realizado em 26/2. Marcos (RJ) mencionou que esse debate das opressões é muito importante no interior o movimento sindical e deve assumir um lugar de destaque nas discussões. Raquel Amorim (SP), secretária da pasta LGBTQIA+, destacou a importância desta secretaria e afirma que “o caminho é a inclusão [destes temas] nas pautas de lutas dos trabalhadores”.

Após a abertura da parte dos membros da Fenametro, falaram os convidados da mesa: os companheiros Marcos Elias, Ubiraci Matildes, Carolina Iara e Heber fizeram as exposições sobre os temas pautados pelo painel. A companheira Rosa (SP) encerrou a mesa agradecendo a participação de todos e Raquel (SP) leu o manifesto: Mulheres metroferroviárias pelo Fora Bolsonaro e o seu governo genocida. O manifesto foi aprovado por unanimidade com 76 votos.

Balanço financeiro

Na abertura do ponto, Luiz Soares (PE) fez uma apresentação sobre a situação financeira da entidade e um balanço do último período que, em especial desde o governo Temer, culminou no corte do imposto sindical e dos recursos que contribuíam no financiamento dos sindicatos e da Federação. Celso (SP) tirou dúvidas, apresentou a situação atual das contas e sua avaliação da do financiamento.

O balanço foi colocado em votação e aprovado por 66 votos favoráveis, 6 abstenções e nenhum voto contrário.

Alteração estatutária e eleição da diretoria

Rodrigo Kobori (SP) abriu o ponto apresentando uma proposta unificada entre as forças presentes na atual diretoria para a composição da gestão da Fenametro. Foi apresentada também a proposta de alteração estatutária de duração de 1 ano. Celso Borba esclareceu as condições em que se deram a construção do Congresso.

Sem a apresentação de nenhuma outra proposta de chapa para a eleição de diretoria, a composição da direção e mudança do estatuto foi aberta para a votação dos delegados. A proposta foi aprovada por 75 votos e 7 abstenções, nenhuma rejeição.