Notícias

Em Pernambuco, metroviários mostram prejuízos da privatização em audiência pública

24.10.19 Notícias, Pernambuco

Mais uma audiência pública para debater a privatização da CBTU foi realizada nesta quarta-feira, 23. Em Recife, Pernambuco, ocorreu uma audiência conjunta das Comissões de Desenvolvimento Econômico, de Negócios Municipais e de Cidadania.

O metrô de Recife será um dos afetados pela privatização anunciada pelo governo Bolsonaro (PSL) e a categoria está mobilizada para impedi-la.

O presidente do Sindicato dos Metroviários de Pernambuco, Adalberto Afonso, se colocou contra a privatização, que acredita não passar de um artifício para desviar dinheiro público para iniciativa privada. Ele acredita que essa é a discussão que deve ser feita que fazer com a sociedade.

Adalberto ainda trouxe exemplos de outros países, em que ocorreram privatizações dos serviços públicos e hoje estão sendo reestatizadas. Ele explica que neste locais a privatização não funcionou, o serviço se tornou caro e Estado e os trabalhadores continuaram pagando a conta.

Além do Sindicato ser contrário a privatização está também é a posição da Fenametro. Celso Borba, presidente da entidade, colocou que a Fenametro é contra a privatização de qualquer empresa pública, e que recentemente vimos o exemplo do resultado da privatização da Vale do Rio Doce em Brumadinho, com um desastre que tirou centenas de vidas, destruiu a natureza em nome do lucro de alguns.

Veja também  MG: MARCADA A DATA PARA ASSINATURA DO ACT 2013-2014

Ele fez um chamado aos presentes para que se construa unidade com outras categorias para enfrentar as privatizações. “Precisamos juntar metroviários, condutores, bancários, eletricitários, petroleiros, trabalhadores dos correios. A política do Bolsonaro é privatizar tudo, e não é só dele, todos os governos que vieram, desde a redemocratização pra cá privatizaram algo”,a afirmou.

Thiago Mendes, diretor de comunicação do Sindmetro-PE e diretor da Fenametro, avaliou como positiva a audiência, que teve presença massiva da categoria e da sociedade. “Conseguimos colocar a inviabilidade da privatização do metrô, a conta que será repassada aos usuários, como isso irá afetar diretamente a vida dos trabalhadores, como isso vai se reverter em subsídios para enriquecer ainda mais o empresariado”, disse.

A audiência contou com a presença de movimentos sociais, Sindicatos, Centrais Sindicais, diversos parlamentares, um representante da CBTU e do secretário estadual de Desenvolvimento Urbano e Habitação.

A Fenametro saúda a iniciativa e convida a categoria e os movimentos sociais para participarem no dia 2 de novembro, no Sindicato dos Metroviários de São Paulo, de uma reunião para organizar a luta contra as privatizações.