Notícias

Em Pernambuco, metroviários mostram prejuízos da privatização em audiência pública

24.10.19 Notícias, Pernambuco

Mais uma audiência pública para debater a privatização da CBTU foi realizada nesta quarta-feira, 23. Em Recife, Pernambuco, ocorreu uma audiência conjunta das Comissões de Desenvolvimento Econômico, de Negócios Municipais e de Cidadania.

O metrô de Recife será um dos afetados pela privatização anunciada pelo governo Bolsonaro (PSL) e a categoria está mobilizada para impedi-la.

O presidente do Sindicato dos Metroviários de Pernambuco, Adalberto Afonso, se colocou contra a privatização, que acredita não passar de um artifício para desviar dinheiro público para iniciativa privada. Ele acredita que essa é a discussão que deve ser feita que fazer com a sociedade.

Adalberto ainda trouxe exemplos de outros países, em que ocorreram privatizações dos serviços públicos e hoje estão sendo reestatizadas. Ele explica que neste locais a privatização não funcionou, o serviço se tornou caro e Estado e os trabalhadores continuaram pagando a conta.

Além do Sindicato ser contrário a privatização está também é a posição da Fenametro. Celso Borba, presidente da entidade, colocou que a Fenametro é contra a privatização de qualquer empresa pública, e que recentemente vimos o exemplo do resultado da privatização da Vale do Rio Doce em Brumadinho, com um desastre que tirou centenas de vidas, destruiu a natureza em nome do lucro de alguns.

Veja também  População e servidores cariocas não podem pagar pela crise

Ele fez um chamado aos presentes para que se construa unidade com outras categorias para enfrentar as privatizações. “Precisamos juntar metroviários, condutores, bancários, eletricitários, petroleiros, trabalhadores dos correios. A política do Bolsonaro é privatizar tudo, e não é só dele, todos os governos que vieram, desde a redemocratização pra cá privatizaram algo”,a afirmou.

Thiago Mendes, diretor de comunicação do Sindmetro-PE e diretor da Fenametro, avaliou como positiva a audiência, que teve presença massiva da categoria e da sociedade. “Conseguimos colocar a inviabilidade da privatização do metrô, a conta que será repassada aos usuários, como isso irá afetar diretamente a vida dos trabalhadores, como isso vai se reverter em subsídios para enriquecer ainda mais o empresariado”, disse.

A audiência contou com a presença de movimentos sociais, Sindicatos, Centrais Sindicais, diversos parlamentares, um representante da CBTU e do secretário estadual de Desenvolvimento Urbano e Habitação.

A Fenametro saúda a iniciativa e convida a categoria e os movimentos sociais para participarem no dia 2 de novembro, no Sindicato dos Metroviários de São Paulo, de uma reunião para organizar a luta contra as privatizações.