Notícias

Suspeitos de assassinato de Marielle são presos mas mandantes ainda são desconhecidos

12.03.19 Geral

Foram presos nesta terça-feira, 12, um Policial Militar (PM) e um ex-PM do Rio de Janeiro suspeitos de assassinarem a vereadora Marielle Franco e seu motorista, Anderson Gomes, em março do ano passado.

Ronnie Lessa, policial reformado, teria feito os disparos, enquanto Elcio Vieira de Queiroz, PM que foi expulso da corporação, dirigia o carro. Ronnie foi preso em sua casa, localizada no mesmo condomínio em que o presidente Jair Bolsonaro (PSL) tem residência.

Marielle era vereadora do Partido Socialismo e Liberdade(PSOL) e foi assassinada, junto ao motorista que a acompanhava, Anderson Gomes no dia 14 de março de 2018. Até o momento, nenhum culpado pelo crime havia sido encontrado.

Mulher negra, militante da Maré e defensora dos direitos humanos, Marielle cumpria seu primeiro mandato como vereadora, sendo a 5ª mais votada da cidade, e denunciava a violência policial no Rio de Janeiro.

Veja também  Vamos ocupar Brasília e barrar as Reformas do governo!

A demora na divulgação de informações sobre o caso, e as denúncias de envolvimento de policiais que tentavam obstruir as investigações foram denunciadas internacionalmente, e diversas entidades e movimentos sociais fizeram pressão para que os culpados fossem encontrados e responsabilizados.

Ainda que as investigações tenham chego aos suspeitos do assassinato, não há qualquer informação sobre os mandantes do crime e os seus motivos.

Por isso segue a pergunta: quem mandou matar Marielle e Anderson?

Nesta quinta-feira, 14, se completa um ano do assassinato. Estaremos nas ruas de todo país pela memória e por justiça para Marielle e Anderson e convidamos toda categoria metroferroviária para se somar.