Notícias

Metroferroviários lançam Comitê Nacional Contra a Privatização

27.11.19 Geral, Notícias

Para organizar a luta contra a privatização do sistema metroferroviário e das empresas estatais e contra o fim dos serviços públicos, a categoria metroferroviária lançou nesta terça-feira, 26, no Sindicato dos Metroviários de São Paulo, um Comitê Nacional Contra Privatização do Sistema Metroferroviário.

De acordo com Celso Borba, presidente da Fenametro, o governo Bolsonaro (PSL) faz um ataque central às estatais e ao serviço público e por isso é necessário unificar a luta dos metroferroviários com os demais servidores públicos, daí a iniciativa da criação do Comitê.

A necessidade de unificação das lutas e a defesa da soberania nacional também foram mencionadas pela secretaria geral do Sindicato dos Metroviários de São Paulo, Camila Lisboa, que reforçou a necessidade do diálogo com os usuários dos serviços públicos sobre a importância do sistema público e estatal.

O Comitê Nacional é a nacionalização de uma iniciativa realizada em alguns estados, como em Pernambuco, explicada pelo vice-presidente do Sindicato dos Metroviários de Pernambuco, Luiz Soares. De acordo com Soares, o Comitê em Pernambuco tem realizado atividades de diálogo com a população como panfletagens, audiências públicas e manifestações, além de conversas com representantes do poder público.

Veja também  Manifesto em defesa de um sistema metroferroviário público, estatal e de qualidade rumo à tarifa zero

A atividade contou com a presença de metroviários e ferroviários de São Paulo, bancários, CSP-Conlutas, CTB, PSTU, PSOL, PCdoB, Sindicato dos Ferroviários da Central do Brasil, Sinsprev, Sintrajud, Sintaema, Stieesp, Comitê de Luta Contra a Privatização da CPTM, Frente Povo Sem Medo, MLB, Unidade Popular, MRT, Coalização pelo Clima, Movimento Luta de Classes, Movimento Metrô Brasilândia Já, que reforçaram a necessidade da unidade entre os trabalhadores e a população, e os prejuízos da privatização, que trará piora no serviço prestado, riscos de acidentes e lucro aos empresários.

Entre os encaminhamentos foi reforçada a necessidade de articulação entre as lutas dos metroferroviários e os servidores das empresas estatais, a luta pela reestatização das empresas reestatizadas, a defesa da soberania nacional, a construção de um dia nacional de lutas, de um manifesto e um encontro das estatais de São Paulo, em janeiro.