Notícias

Empresas do setor metroferroviário enviam documento pedindo aos presidenciáveis privatização da CBTU e Trensurb

24.08.18 Geral, Notícias Tags:,

A Associação Brasileira da Indústria Ferroviária (ABIFER), entidade de fabricantes de equipamentos para o sistema metroviário, ferroviário e rodoviário, que tem associadas como ALSTOM, Bombardier, CAF, Hyundai Rotem e Progress Rail – algumas das empresas envolvidas nos escândalos de corrupção e superfaturamento nas obras de diversos metrôs brasileiros – enviou propostas aos candidatos à presidência pedindo a privatização de metrôs e ferrovias.

Em documento enviado pela entidade, as empresas pedem a privatização da CBTU, que opera em Belo Horizonte, Recife, João Pessoa, Macéio e Natal e da Trensurb, que opera em Porto Alegre e região metropolitana.

As empresas ainda sugerem primeiro a privatização do metrô de Belo Horizonte, para depois expandir para os demais sistemas no Nordeste.

Ainda há a exigência de “ajustes e melhorias nos arcabouços jurídico, ambiental e do entorno de negócios, a fim de atrair investimentos nacionais e estrangeiros em concessões e PPPs, priorizando estas modalidades sobre os investimentos exclusivamente de recursos públicos”, medidas que sabemos favorecer a degradação ambiental, remoção de comunidades, e a corrupção.

Veja também  É hoje! Dia Nacional de Lutas, Protestos e Greves contra as Reformas!

A iniciativa das empresas demonstra que a privatização vem para atender os interesses dos empresários, e não do povo e dos trabalhadores do setor.

A privatização favorece a corrupção, aumenta a precarização dos trabalhadores e do serviço prestado, além de aumentar a tarifa dos usuários.

Nós da Fenametro, entidade que organiza a luta dos metroferroviários em todo país, somos contrários a todas privatizações e PPPs existentes, exigimos a reestatização dos metrôs e ferrovias privatizados, e defendemos um aumento significativo do investimento público no setor para que possamos ter uma expansão da malha metroferroviária, um transporte mais econômico, sustentável e de massas.