Notícias

Reforma da Previdência aprovada na Comissão Especial da Câmara mantém ataque aos trabalhadores

05.07.19 Geral, Notícias

A Comissão Especial da Câmara responsável pela Reforma da Previdência aprovou nesta quinta-feira, 4, o texto-base da Reforma da Previdência, que modifica alguns dos pontos apresentados pelo governo Bolsonaro (PSL) mas segue atacando os trabalhadores brasileiros. O texto segue agora para votação em Plenário.

A Reforma impõe uma idade mínima de 65 anos para aposentadoria de homens e 62 para mulheres, 25 anos de contribuição no setor público, e 20 anos para homens e 15 para mulheres no setor privado.

Sabemos que estes números são impossíveis de atingir. Hoje, uma grande parcela da população está no trabalho informal e não contribui para previdência e também enfrenta períodos de desemprego, quando também não contribui. Além disso diversas regiões do país, como Norte e Nordeste e bairros periféricos das capitais, tem expectativa de vida inferior a 65 anos de idade.

Veja também  Metroviários de Belo Horizonte entram em greve nesta terça-feira, 29

No parecer também há uma idade mínima para aposentadoria de professores, de 60 anos para homens e 57 para mulheres.

O governo e os empresários afirmam que se a Reforma não for aprovada o país irá quebrar. Essa é mais uma das diversas mentiras de Bolsonaro. A Reforma é baseada numa ideia equivocada de que existe um déficit na Previdência, e na perspectiva de retirada de direitos dos trabalhadores.

A Fenametro segue contra a Reforma da Previdência e estará junto a categoria metroferroviária nas ruas para derrotá-la.