Notícias

Metroviários da CBTU e Trensurb participarão de plenária para organizar luta contra a privatização

30.10.19 Minas Gerais, Notícias, Pernambuco, Rio Grande do Sul

Metroviários do Rio Grande do Sul, Minas Gerais e Pernambuco confirmaram sua participação na plenária de organização da luta contra a privatização dos metrôs brasileiros neste sábado, 2, em São Paulo.

A Fenametro fará no Sindicato dos Metroviários de São Paulo, uma plenária aberta com sindicatos, federações, centrais sindicais e movimentos sociais.

As privatizações da CBTU, Trensurb e do Metrô DF, que somadas as já existentes – do metrô do Rio de Janeiro e de algumas linhas do metrô de São Paulo – podem aumentar a precarização do trabalho, o sucateamento do sistema, e as tarifas.

Neste sábado, nos organizaremos para construir estratégias para enfrentar as privatizações. Localmente, já estão ocorrendo diversas atividades nos estados, como audiências públicas e comitês de luta contra a privatização.

A privatização da CBTU e Trensurb

O governo Bolsonaro confirmou em junho deste ano a privatização da Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU) e da Empresa de Trens Urbanos de Porto Alegre S.A. (Trensurb).

Veja também  Trabalhadores de empresa de segurança terceirizada do Metrô de Recife realizaram protesto

Aprovada em reunião do Conselho do Programa de Parcerias e Investimentos (PPI) no início de maio, a privatização está prevista para o 1º semestre de 2021 no caso da Trensurb, e no 2º pra CBTU.

A CBTU é responsável pelos metrôs de Belo Horizonte, Recife, Maceió, João Pessoa e Natal e a Trensurb pelo metrô de Porto Alegre.

Ambas empresas vem passando por um processo de precarização e continuas tentativas de aumento da tarifa, para que se tornem mais atrativas para privatização.

Desde o anúncio, diversas atividades para organizar a resistência da categoria tem sido realizadas, como

A Fenametro está contra o projeto privatista do governo Bolsonaro e irá mobilizar a categoria metroferroviária para enfrentar as privatizações.

Nos colocamos em defesa de um metrô público, estatal e de qualidade. A privatização é prejudicial para população e para os trabalhadores, pois precariza o serviço, aumenta a tarifa, e coloca em risco a todos.