Notícias

Trens se chocam no monotrilho da Linha 15-Prata

30.01.19 Notícias, São Paulo Tags:, ,

Dois trens se chocaram nesta terça-feira, 29, na Linha 15-Prata, do monotrilho, em São Paulo. O acidente aconteceu durante o estacionamento dos trens na Estação Jardim Planalto.

Um dos trens estava no modo automático, e no outro havia um operador, que foi fundamental para diminuir a gravidade do acidente ao acionar a emergência do veículo, se ferindo com o impacto.

O Sindicato dos Metroviários de São Paulo e a Fenametro vem denunciando há anos a política de sucateamento e privatização capitaneadas pelo Metrô de São Paulo e os governos do Estado, que levam a acidentes como este.

No caso do monotrilho, o operador não tem cabine própria, o que compromete a sua segurança e dos passageiros, e como já denunciado pelo Sindicato é uma alternativa mais cara, menos eficiente e segura que o Metrô.

A Linha 15 e suas estações foram entregue com atraso e de forma precipitada, como campanha eleitoral, e desde então tem apresentado diversos problemas.

Hoje estatal, a Linha pode ser privatizada, e seu leilão está previsto para março.

Veja também  MG: INSCRIÇÕES ABERTAS PARA O CONAD

De acordo com a Secretaria de Transportes, a Linha será entregue com 9 estações prontas e 27 novos trens, com um investimento de R$ 5,2 bilhões por parte do Estado. O governo, assim como fez com a Linha 5-Lilás, entregará à iniciativa privada linhas prontas, novos trens e sistema implementado, ou seja, ônus de construção unicamente para o Estado. O lance inicial previsto no leilão não chega a cobrir nem os investimentos iniciais feitos pelo governo.

A Fenametro repudia esta política privatista e se soma ao pedido do Sindicato dos Metroviários de São Paulo, que reivindica que as Cipas e os trabalhadores tenham acesso e participem de todo o processo de apuração e das soluções.

Nesta quarta-feira, 20, os metroviarios de SP iniciaram um protesto trabalhando sem uniforme da empresa, e realizarão um ato público amanhã no CCO, às 15h, como parte da preparação da greve indicada para o dia 5/2, pela readmissão imediata do operador de trem Joaquim José e contra os ataques da privatização.