Notícias

Vamos derrotar a Reforma da Previdência!

15.08.17 Geral, Notícias Tags:,

Sem aposentadoria, sem direitos trabalhistas e com serviços públicos de má qualidade. Esta será nossa realidade se não nos mobilizarmos, ocuparmos as ruas e lutarmos contra as reformas propostas pelo governo de Michel Temer (PMDB).

A aprovação da Reforma Trabalhista, no início de julho, trouxe um enorme retrocesso para os trabalhadores, e impôs uma grande retirada de direitos. Em breve entrará em pauta outra reforma, a da Previdência, que avançará ainda mais na retirada de direitos.

Apresentada ao Congresso no final do ano passado, ela será votada em breve. A proposta impõe uma idade mínima de 65 anos para aposentadoria de homens e 62 anos para de mulheres e só garante aposentadoria completa para aqueles que contribuírem por 40 anos.

A Reforma de Temer não condiz com a realidade dos trabalhadores brasileiros. De acordo com ela, para se aposentar com salário integral será necessário trabalhar por quase meio século sem ficar um dia se quer desempregado e ainda contribuir durante todo esse tempo para a previdência.

Veja também  7 de novembro: 100 anos da revolução russa

Sabemos que estes números são impossíveis de atingir. Hoje, uma grande parcela da população está no trabalho informal e não contribui para previdência e também enfrenta períodos de desemprego, quando também não contribui. Além disso diversas regiões do país, como Norte e Nordeste e bairros periféricos das capitais, tem expectativa de vida inferior a 65 anos de idade.

Segundo a Secretaria de Previdência Social de cada três aposentados dois ganham apenas um salário mínimo. Na proposta há uma mudança importante que prejudicará estes trabalhadores, a desvinculação do reajuste da aposentadoria com o reajuste do salário mínimo. Com esta medida a aposentadoria perde o valor e contribui para o aumento da pobreza.

A Reforma ainda reduzirá drasticamente o valor das pensões por morte e não será mais permitido o acúmulo de pensão por morte e aposentadoria. Será necessário escolher um dos pagamentos.

Não podemos aceitar estes retrocessos, e precisamos ocupar as ruas, denunciar estas medidas e realizar novas greves. Os metroferroviários de todo Brasil continuarão na luta para barrar estas reformas e exigir o Fora Temer!