Notícias

No Rio de Janeiro, privatização gerou precarização do trabalho

14.08.15 Rio de Janeiro Tags:

Para sindicalista, privatização gerou falta de funcionários

O Metrô do Rio de Janeiro foi privatizado em 1998, e hoje é administrado pela empresa Invepar.  De acordo com Ariston Siqueira dos Santos, vice-presidente da Fenametro-RJ, entre as conseqüência da privatização está a redução do quadro de funcionários. “Uma das principais questões é a falta de pessoal, pois afeta diretamente a qualidade de serviço. Existem poucos trabalhadores para as funções que precisam ser realizadas, o que também prejudica a população”, disse.

Além disso, Ariston destaca a grande rotatividade da empresa, com um grande número de demissões. “São cerca de 250, 300, demissões por ano, o que cria insegurança para os empregados, não cria vínculo com a empresa é péssimo para mobilização dos trabalhadores”, afirmou.

Veja também  Em ano eleitoral, Alckmin entrega mais Linhas do Metrô para iniciativa privada

As demissões não ocorrem somente com os funcionários, mas também com dirigentes sindicais e membros do sindicato. “Eles demitem diretores sindicais. Imagina a insegurança para o resto da categoria”, explica.

O metrô do Rio tem a tarifa mais cara do país, R$ 3,70. “Além de ter a tarifa mais cara é o que paga os salários mais baixos para os metroviários”, enfatiza Ariston.