Notícias

No Rio de Janeiro, privatização gerou precarização do trabalho

14.08.15 Rio de Janeiro Tags:

Para sindicalista, privatização gerou falta de funcionários

O Metrô do Rio de Janeiro foi privatizado em 1998, e hoje é administrado pela empresa Invepar.  De acordo com Ariston Siqueira dos Santos, vice-presidente da Fenametro-RJ, entre as conseqüência da privatização está a redução do quadro de funcionários. “Uma das principais questões é a falta de pessoal, pois afeta diretamente a qualidade de serviço. Existem poucos trabalhadores para as funções que precisam ser realizadas, o que também prejudica a população”, disse.

Além disso, Ariston destaca a grande rotatividade da empresa, com um grande número de demissões. “São cerca de 250, 300, demissões por ano, o que cria insegurança para os empregados, não cria vínculo com a empresa é péssimo para mobilização dos trabalhadores”, afirmou.

Veja também  METRÔ RIO FECHA ACORDO

As demissões não ocorrem somente com os funcionários, mas também com dirigentes sindicais e membros do sindicato. “Eles demitem diretores sindicais. Imagina a insegurança para o resto da categoria”, explica.

O metrô do Rio tem a tarifa mais cara do país, R$ 3,70. “Além de ter a tarifa mais cara é o que paga os salários mais baixos para os metroviários”, enfatiza Ariston.